Lavagem de Monumentos

Grandes obras de arte, como os monumentos às Bandeiras, no Ibirapuera, à Independência do Brasil, no Ipiranga, aos Heróis da Travessia do Atlântico, próximo da represa Guarapiranga, ao Centenário da Amizade Brasil-Japão, no Parque do Carmo, e a estátua do Borba Gato, em Santo Amaro, são alguns dos quase 100 monumentos cuja limpeza e conservação estão sob responsabilidade da SOMA.

Patrimônio artístico-cultural e cartão postal da cidade de São Paulo, o Monumento às Bandeiras, obra do escultor Victor Brecheret, é lavado e limpo cinco vezes ao ano por uma equipe de 10 profissionais.

Um caminhão com cesto aéreo e um Antares, com 2.500 litros de água quente, são utilizados na lavagem dos 240 blocos de granito da obra. A limpeza completa do monumento de 50 metros de comprimento e 16 de altura, leva em torno de 16 horas, em dois dias consecutivos.

Referência até mesmo geográfica no bairro de Santo Amaro, a estátua do Borba Gato, do escultor Júlio Guerra, também toma cinco banhos por ano. A lavagem da estrutura de concreto, revestida com pedras coloridas de basalto e mármore, com 10 metros de altura, consome cerca de 1.300 litros de água e quase um dia de trabalho.

O Monumento à Independência do Brasil, no Parque do Ipiranga, é o que demanda maiores cuidados. O piso de granito e a cripta nos subterrâneos do conjunto arquitetônico, onde estão sepultados os restos mortais de D. Pedro I, exigem atenção redobrada na manobra e posicionamento dos caminhões com água e cesto aéreo, para elevação do lavador até o topo das esculturas de bronze. A limpeza de toda a obra consome de 7 a 10 dias de trabalho e mais de 20 mil litros de água.